website free tracking

Comi minha empregada safada

Eu sempre fui um homem bem sucedido, dono de uma empresa de tecnologia que me proporcionava uma vida confortável e luxuosa. E como todo homem bem sucedido, sempre tive minhas aventuras sexuais, com mulheres diferentes e sem compromisso. Mas essa história que vou contar é diferente de todas as outras, pois envolve a minha empregada, uma mulher simples e trabalhadora que sempre esteve ao meu lado em todos os momentos.

Tudo começou em uma tarde de verão, eu estava em casa sozinho, pois minha esposa havia ido viajar a trabalho. Estava um calor insuportável e decidi tomar um banho de piscina para refrescar um pouco. Foi quando vi minha empregada, a Maria, limpando a área externa da casa. Ela estava com uma roupa simples, uma camiseta regata e um short curto que deixava suas pernas grossas e bem torneadas à mostra.

Não sei o que aconteceu, mas ao vê-la ali, toda suada e com aquele corpo incrível, senti uma atração incontrolável. Meu pau ficou duro na hora e eu não conseguia tirar os olhos dela. Maria percebeu meu olhar e sorriu timidamente, sem desviar o seu olhar do meu. Foi quando tive uma ideia maliciosa, chamei-a para tomar um suco comigo e ela aceitou prontamente.

Enquanto tomávamos o suco, começamos a conversar e Maria se mostrou muito simpática e descontraída. Foi quando a convidei para entrar na piscina comigo e ela, sem hesitar, tirou a sua roupa e entrou apenas de biquíni. Nesse momento, pude ver seu corpo por completo e fiquei ainda mais excitado. Maria tinha seios médios e empinados, uma cintura fina e uma bunda grande e redonda que me deixava louco.

Começamos a nos divertir na piscina, com brincadeiras inocentes, mas a tensão sexual entre nós era evidente. Eu tentava disfarçar, mas Maria também não conseguia tirar os olhos do meu corpo. Foi quando decidi tomar uma atitude, me aproximei dela e a beijei. No começo, ela relutou um pouco, mas logo cedeu aos meus beijos e nossas línguas se entrelaçaram em um beijo quente e molhado.

Comi minha empregada

Eu já não estava me importando com mais nada, queria aquela mulher ali e agora. Comecei a acariciar seu corpo, apertando seus seios e descendo até sua bucetinha por cima do biquíni. Maria gemia baixinho e eu já estava completamente louco de tesão. Tirei seu biquíni e pude ver sua buceta molhada, pronta para ser devorada.

Sem perder mais tempo, a coloquei de quatro na beira da piscina e comecei a chupar sua buceta com vontade. Maria gemia alto e me puxava para mais perto, enquanto eu a devorava com vontade. Ela tinha um gosto doce e eu queria provar cada centímetro daquela bucetinha deliciosa.

Não demorou muito para que ela tivesse seu primeiro orgasmo, gozando em minha boca e me chamando de safado e gostoso. Mas eu não estava satisfeito, queria mais daquela mulher. Levantei e a beijei novamente, dessa vez com ainda mais vontade e tesão. Queria sentir seu corpo contra o meu, sentir seus seios e sua bunda em minhas mãos.

Maria logo se ajoelhou e começou a chupar meu pau com maestria. Ela era muito habilidosa com a boca e a língua, me levando à loucura com seus movimentos. Eu segurava seus cabelos e a guiava, enquanto ela me chupava com vontade. Não demorou muito para que eu gozasse, enchendo sua boca com meu leite quente.

Mas eu não estava satisfeito, queria sentir o calor daquela mulher em meu pau. A puxei para cima e a penetrei de uma vez só, fazendo-a gemer alto e arranhar minhas costas. Fomos para o fundo da piscina, onde o clima era ainda mais quente e eu a fodia com força e vontade. Maria gemia e pedia por mais, enquanto eu metia sem dó e a levava à loucura.

Não demorou muito para que eu sentisse o meu orgasmo se aproximando e anunciei que ia gozar. Maria me olhou com aquela cara de safada e pediu para que eu gozasse na sua cara. Me retirei de dentro dela e finalizei em seu rosto, gozando forte e gemendo alto de prazer.

Depois daquele dia, nunca mais conseguimos resistir um ao outro. Transamos em todos os cômodos da casa, em todas as posições possíveis e imagináveis. Maria me mostrou que era uma verdadeira fera na cama, com uma sede por sexo que me deixava ainda mais louco. Até mesmo no meu escritório, no meio do expediente, a pegava por trás e a comia com força, enquanto ela gemia baixinho para não chamar a atenção dos outros funcionários.

Com o passar do tempo, nossa relação foi se intensificando cada vez mais. Eu não me importava com o fato de sermos patrão e empregada, pois naquele momento éramos apenas dois amantes em busca de prazer e satisfação. Maria se tornou minha confidente e parceira sexual, sempre pronta para me satisfazer em todos os sentidos.

Hoje, posso dizer com toda certeza que comi minha empregada de uma forma que jamais vou esquecer. Ela me proporcionou momentos incríveis de prazer e me mostrou que o sexo pode ser ainda mais gostoso quando é feito com quem realmente amamos e desejamos. E até hoje, sempre que minha esposa sai de viagem, Maria é minha companheira para matar a saudade e saciar minha sede por sexo. Afinal, quem resiste a uma empregada tão gostosa e safada como ela?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima